Doenças autoimunes e imunossupressores

Diariamente, nosso corpo reage às bactérias, vírus e substâncias estranhas por meio do sistema imunológico. Essa barreira é composta por milhões de células de células diferentes e com diversas funções, responsáveis ​​por garantir a defesa do organismo e por manter o corpo funcionando livre de doenças.

Quando nosso sistema imune começa a reconhecer estruturas do organismo como estranhas e passa a atacar a si próprio, temos uma reação ou doença autoimune. Portanto, ao mesmo tempo das células imunes reagirem apenas contra os agentes nocivos, elas atacam estruturas do próprio corpo, produzindo substâncias que inflamam o corpo. O órgão ou tecido contra o qual essa reação ocorrerá, causando dano, irá determinar qual doença autoimune será desenvolvida. Exemplos comuns são doenças que afetam como articulações, como Artrite Reumatoide, Artrite psoríasica e Espondilite Anquilosante, tratadas pelo Reumatologista.

Além do controle da inflamação, um dos principais objetivos no tratamento das doenças autoimunes sistêmicas é modificar sua evolução e prevenir sequelas nos órgãos afetados. Para isso, é necessário frear esse sistema imunológico que está muito reativo contra o próprio corpo. Logo, os medicamentos utilizados para o controle desses casos são chamados imunossupressores.

Existem diversos tipos de medicamentos imunossupressores, os quais podem ter apresentação em comprimido, injeção subcutânea e endovenosa. Eles devem ser usados ​​de forma contínua e regular, já que as doenças autoimunes são crônicas. Também é necessário um cuidado especial para avaliar risco de infecções, visto que agem no sistema de defesa do corpo. Para cada tipo de doença autoimune, existem grupos de medicamentos específicos e para cada paciente existem como opções mais localizadas e de segurança.

Dra. Glaucia Ferreira Abrahão – Médica Reumatologista CRM 177672

Posts relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.